quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Tiranossauro vs Espinossauro: quem venceria?

De um lado, temos o dinossauro mais famoso de todos, e que mesmo após tantas descobertas ainda continuou sendo chamado de o Rei dos Dinossauros, o Tiranossauro Rex! E de outro, temos o maior carnívoro conhecido, referência de grande predador e visto por muitos como o substituto do T-rex, o Espinossauro! ...Quem seria o vencedor?

A franquia de sucesso absoluto Jurassic Park, uma das principais fontes de popularidades do Tiranossauro, e também agora a principal fonte de popularidade do Espinossauro, é basicamente responsável por uma das maiores polêmicas entre fãs de dinossauros, assunto bastante discutido até hoje. Aconteceu no terceiro filme, quando um novo predador apareceu: tão grande e assustador quanto o Tiranossauro, este que em uma luta o derrotou completamente, e se tornou o antagonista.



O filme é usado por diversos como exemplo do porquê o Espinossauro ganharia, e outros dizem o contrário. A verdade é que os dinossauros da franquia, ao menos uma parte considerável, não são tão fiéis a aqueles que realmente existiram, seja por conhecimento da época, ou mais atratividade (claro, uma explicação científica é o fato dos genes usados para reconstrução de DNA serem de outros animais). O próprio Espinossauro não é aquele gigante musculoso que no filme estava desproporcionalmente forte.

Recentes descobertas deram uma nova cara ao Espinossauro, aquele terópode semi-aquático versátil que dominava tanto as terras quanto as águas passou a ser bem mais "aquático" do que pensávamos.

As pernas bem menores e menos musculosas, fora as vértebras reposicionadas, forçando-o a adotar uma postura na maioria das vezes quadrúpede, e consequentemente um corpo mais leve e menos robusto, para um sustento do corpo em terra firme e mais eficiência para nado, assim, perdendo as únicas vantagens que teria. Analisemos por partes:

O cérebro e os sentidos:

O Tiranossauro tinha um crânio mais espaçoso, para caber um cérebro maior. As modernas pesquisas mostram seu olfato como o melhor entre os dinossauros, eficazes para o encontro de presas e indivíduos da mesma espécie, rastreamento útil para uma estratégia, uma visão estereoscópica e binocular que se destaca igualmente, conseguindo noção de profundidade, cálculo de ataque, percepção, uma boa audição e ainda sobrava inteligência, fora a sua experiência de rotina, no qual caçava vários dinossauros e alguns deles eram poderosos o bastante para ser um grande desafio.

Em contrapartida, o crânio do Espinossauro tinha um formato mais fino e achatado, seu cérebro era menor e mais primitivo, sua inteligência era voltada para a pesca, sua fonte de dieta primária, no qual sua presa não tinha chance de defesa, logo, não o tornava tão adaptado para lutas frequentes, possivelmente disputava contra algum crocodilo de plantão e ocasionalmente um Carcharodontossauro. Já os sentidos não são muito descritos, podem ser consideravelmente aguçados, mas não como os do Tiranossauro.

Armas disponíveis:

O Tiranossauro contava somente com a sua mordida, entretanto, não dependia de mais do que isso. O crânio de 1.5m, era robusto e forte, maxilar em forma de U, com mandíbulas de 5.8 toneladas de força de pressão, estas que por si só dariam a ele uma grande mordida sem depender de grandes dentes. No entanto, além das mandíbulas extremamente potentes, ele ostentava dentes de 30 centímetros, proporcionalmente mais grossos que os de qualquer outro terópode, para esmagar com mais facilidade, e curvados para trás, agarrando melhor as vítimas, fora o espaço entre eles para que a mandíbula fechasse completamente. Sua mordida era a mais poderosa entre os terópodes.

Com sua postura semi-bípede, o Espinossauro também contava só com a mordida, já que erguendo-se a uma altura baixa, não conseguiria usar seus braços com eficácia, ah não ser que fosse na água. Com um crânio de 2m de comprimento similiar a de um crocodilo, sua mordida também era forte, porém, inferior. As mandíbulas eram mais finas e os dentes eram bem cônicos, mais apta para capturar peixes do que matar dinossauros, mais especificamente, os herbívoros protegidos que o Tiranossauro matava, caso eles dividissem território.

Velocidade e porte físico:

O Tiranossauro suportava erguer toneladas, tinha um esqueleto impressionante e músculos fortíssimos, para resistir nas mais difíceis lutas, era forte, era robusto, era pesado, mas não era lento. O peso da cabeça era compensado pelo contrabalanceamento da cauda e a falta de peso nos braços, as pernas eram a principal ferramenta de velocidade, podiam correr até 40 km/h, e a velocidade para ataques também não era de se jogar fora.

Já o Espinossauro não podia correr mais do que 24 km/h, ressaltando isso de forma generosa, pois as pernas eram pequenas em relação ao restante do corpo, e se mostravam mais efetivas nadando. A vela nas costas, supondo que funcione como regulador de temperatura, pode oferecer uma agilidade adicional, no entanto. O preparo físico era razoável, tinha uma relativa força nos membros, e uma cauda bem longa, porém, reafirmando que foi dito, sua versão anterior era mais parruda.



Se baseando no que foi exposto, o T-Rex vence o Espinossauro em qualquer aspecto, e não só isso, sua postura o deixaria vulnerável contra os ataques do Tiranossauro. Seu pescoço fino não teria a menor chance contra a mordida de seu adversário, ela ficava beirando os 3 metros de altura, bastaria o T-Rex abaixar e agarrá-lo. Suas evasões não funcionariam por muito tempo, em vista de que dependia de uma arma inferior, a qual não seria o suficiente para pará-lo. Seria questão de tempo até o Tiranossauro morder seu pescoço, ou então sua vela, esta que era grande o suficiente para ser um alvo fácil. Ainda na especulação do funcionamento dessa vela, ela além de proporcionar vantagem, trazia consigo uma desvantagem, pois ela deveria ter nervos e artérias para funcionar como um regulador, e fraturas ali seriam letais. O pescoço, assim como a coluna, ficavam a uma altura baixa, devido a posição semi-bípede e pernas curtas, logo, a vela ficava numa altura perfeitamente acessível para o Tiranossauro. Mesmo se a vela não tiver essa utilidade, logo, deixando de ser um ponto fraco, o Espinossauro não terá também a agilidade ao seu favor, ficando mais suscetível ainda aos ataques do T-Rex, ou seja, uma faca de dois gumes, independente da situação.

Mas, e se o combate fosse na água? O Espinossauro teria bem mais chances do que na terra, pois ele era um nadador bem nato, e lá ele teria liberdade para atingir o Tiranossauro em mais áreas, e não só com a mordida. As pernas do T-Rex além de servirem para correr bastante, eram fortes o suficiente para levantar o corpo de tombos, e também para nadar, sem que os pequenos braços sejam um fardo, só que obviamente não nadaria melhor que um terópode semi-aquático como o Espinossauro. Essa luta não ocorreria em águas tão profundas, é improvável imaginar um cenário onde o T-Rex de repente brote no meio de um lago enorme, o mais possível num encontro entre os dois, seria uma luta próxima a margem, onde a água poderia cobri-lo, mas dando possibilidade a conseguir lutar lá, ou sair. O maior problema do T-Rex seria lutar e ao mesmo tempo não ser afogado, o que o faria ineficiente na hora de reagir aos ataques do Espinossauro, mas, a menor brecha do gigante espinho seria sua ruína.

Mas, e se fôssemos considerar o Espinossauro antigo?


Bom, reanalisando por partes, agora, de forma resumida, a comparação dos sentidos e inteligência continua a mesma, o corpo pode ser diferente, mas possuía praticamente os mesmos hábitos e crânio. Sobre as armas disponíveis, o Espinossauro agora pode contar com seus braços também, estes que podem ser considerados como sua principal arma, eles eram grandes, pesados e fortes, com eles e toda a sua musculatura, exerceriam golpes de quase duas toneladas cada, somado a garras enormes. O porte físico mudou consideravelmente, ele possui ossos e músculos melhores, sendo mais preparado para uma luta do que foi descrito antes, as pernas eram fortes e lhe proporcionava bom equilíbrio, e sua velocidade de corrida bateria a faixa dos 24/h ou um pouco mais, sem muita necessidade de generosidade.

O Tiranossauro ainda tem mais aspectos melhores, porém, agora é uma luta mais justa. Com pernas longas e uma postura bípede, o pescoço do Espinossauro fica a 5 metros de altura, ainda no alcance da mordida do T-Rex, mas, agora consegue reagir melhor e talvez evitar um ataque direto. Já a vela fica um pouco mais acima, continuaria sendo um ponto fraco, considerando sua função, entretanto, mais restrita ao acesso, ou seja, não é mais uma faca de dois gumes. Com pernas, braços e equilíbrio, se levantaria de quedas mais rápido que o Tiranossauro. O grandalhão da barbatana agora levaria a melhor? Pode-se dizer que... não. O Espinossauro era ligeiramente mais ágil, mas o Tiranossauro mais rápido, e obviamente mais forte e resistente. Teria vantagem se derrubasse o T-Rex, o problema seria conseguir, pois sua força não era o suficiente, ainda mais para empurrar. A situação contrária seria mais plausível, levando em conta a força do T-Rex e a eficácia para investidas e ataques frontais. O Espinossauro poderia não necessariamente levar um tombo, porém, se desestabilizar e expor sua vela a um ataque, e sua evasão seria comprometida nessa condição, ou então ficar com o pescoço numa altura tão baixa quanto, e ser preso por uma abocanhada do Tiranossauro, no qual não teria a menor chance de se livrar.  O forte do Espinossauro seria usar a agilidade no começo e desferir golpes com seus braços, ou agarrar o Tiranossauro, no entanto, o T-Rex conseguiria se livrar de mordidas e agarradas sem dificuldades, e resistiria a seus golpes. Se o Espinossauro conseguisse atingi-lo, seria capaz de causar ferimentos consideráveis, entretanto, fora a resistência de seu adversário, o T-Rex poderia incapacitar os braços do Espinossauro os mordendo, ou dando cabo na luta mordendo o pescoço, antes que o Espinossauro o ferisse. Como o Tiranossauro tinha uma visão melhor para as batalhas, e instintos mais voltados para duelos, ele levaria a melhor em quase todos os quesitos, pois ele enfrentava herbívoros de ataques letais e precisava ter um bom foco e ser rápido, porque ser pego por uma chifrada de Triceratops ou rabada de um Anquilossauro seria fatal. As citações dos pontos fortes do Espinossauro foram apresentadas caso ele conseguisse aplicar, mas, as chances de ocorrer iam contra o mesmo, e seja lá a situação, ele seria contornado e perderia para o Tiranossauro, aplicando ataques ou não.

Mas, e se o "Espinossauro antigo" estivesse na água? Ele é mais forte que o "novo Espinossauro" e a água era seu território, só que ainda não é garantia de que seria o vencedor. Ele pode ser mais "porradeiro" que sua "versão salsicha", e estar lutando onde tem mais liberdade, porém, vamos lembrar que esse Espinossauro antigo era mais pesado, tinha um centro de massa diferente, e por ser menos "aquático", não ganharia tanta vantagem. Ele nadava melhor que o Tiranossauro independentemente de ser o "antigo" ou o "novo", mas, nessa situação, em comparação a antes, ele ganhou mais vantagem para lutas gerais, do que vantagem em águas, ou seja, de um modo geral ele ganhou mais aptidão para lutar, e ganhou menos vantagem na água, em comparação com o "Espinossauro novo". O Tiranossauro poderia sair ferido dessa, difícil dizer o quanto, mas uma mínima brecha do Espinossauro resultaria em uma grande virada do T-Rex.

Conclusão: Entre esses dois grandes terópodes, o Tiranossauro venceria.



Espinossauro

O Espinossauro foi um dos maiores dinossauros carnívoros que já existiram, e o maior encontrado até então, ultrapassando o tamanho do Tiranossauro, Giganotossauro e Carcharodontossauro e atualmente bastante famoso pela mídia. Foi encontrado em 1912 ao norte da África, porém bem incompleto. Nomeado em 1915 por Stromer, o fóssil era composto por poucos ossos, suas peças eram:

Parte da maxila;
Parte da mandíbula;
19 dentes;
2 vértebras cervicais;                    
7 vértebras dorsais;
3 vértebras sacrais;
1 vértebra caudal;
costelas;
Elementos da gastrália.

Esses poucos pedaços de fósseis forneceram ao paleontólogos boas informações sobre o mesmo. As suas vértebras dorsais e espinhais eram bem incomuns para um predador, o que chamou muito a atenção, as quais se elevavam ao formato de uma vela, foi daí que surgiu seu nome, que significa "Lagarto Espinho". O Esqueleto do animal era bem semelhante a de um enorme crocodilo, isso levou aos cientistas a teorizarem que ele poderia se alimentar de peixes. Porém, um infortúnio ocorreu e os fósseis foram destruídos em um terrível bombardeio, fazendo com que seus registros se perdessem e baseados mais em artes conceituais, não passando de especulações. Novas descobertas ainda não eram o suficiente, o Espinossauro era (e ainda é) um dinossauro bem misterioso.



Ao longo dos anos as descobertas de um modo geral progrediram, e o que se sabia sobre o Espinossauro na época, é que ele foi um terópode bem impressionante, e poderia atingir um grande tamanho, o suficiente para ser denominado o maior predador, medindo 18 metros de comprimento 5 a 6 metros de altura do chão a cabeça, podendo alcançar 7 metros, se contar a vela e pesando 7 toneladas. Possuía um crânio longo de 2 metros de comprimento, bem parecido com o de um crocodilo, ostentando bastantes dentes afiados de formato cônico, indicando que tinha uma mordida forte, e longos braços musculosos dotados de grandes garras, para capturar ou golpear suas vítimas, exercendo 2 toneladas de força por braço, a sua principal arma. Era capaz de correr até 24 km/h, e sua agilidade poderia ser maior que de outros dinossauros no qual dividia habitat, proporcionada pela vela, que sugerem servir de regulador de temperatura, além de exibição para os da mesma espécie e quem sabe intimidação aos outros animais, por ser uma característica física que o fazia parecer maior. Ele conseguia nadar excepcionalmente, por ser um terópode semi-aquático, sendo assim um predador que caçava tanto nas águas quanto fora delas. Teria caçado dinossauros como Ouranossauro, provavelmente Aegyptossauro, mas sua dieta primária eram os peixes - o Onchopristis eram peixes de águas salgadas que periodicamente apareciam em rios da mesma forma que os salmões, atingindo 8 metros de comprimento, sendo 2 metros só a serra a frente do rosto, um dos banquetes do Espinossauro. Teria disputado contra crocodilos e Bahariassauro por território e possivelmente peixes, e confrontado o Carcharodontossauro pelos dinossauros herbívoros. Foram encontrados várias vértebras de Pterossauros com marcas de mordida que pertenciam a um Espinossauro, sugerindo que eram ocasionalmente uma opção de presa para o mesmo.



Sua popularidade tomou proporções ainda maiores quando antagonizou em Jurassic Park 3. Afim de criarem um filme que fosse diferente dos dois primeiros, substituíram o conhecido como rei, Tiranossauro, por outro carnívoro que faria o papel de terópode monstruoso, para chamar a atenção, e escolheram logo o Espinossauro, o qual deveria ser um super predador. Ocorreu uma luta entre os dois, onde o Espinossauro venceu o T-Rex, que apareceu só para ser ofuscado. O filme criou vários fãs do Espinossauro e essa batalha marcou o suficiente para se tornar um tema polêmico até hoje, sobre quem venceria entre os dois (para mais informações confira aqui: http://eradedinossauros.blogspot.com/2010/09/tiranossauro-rex-vs-espinossauro-quem.html). Desde então o Espinossauro foi aparecendo em diversas mídias para ser conhecido pelo o que é.

O erro do filme foi ter exagerado no Espinossauro, pois ele não era tudo aquilo aparentou ser, aliás, ele não era nem o que se pensavam dele, como um todo. As informações apresentadas sobre o mesmo foi o que se sabia sobre, até um tempo atrás, com base em algumas descobertas desde o bombardeio. Em 2014 obtiveram novos achados, que mudaram o seu conceito de predador. A nova reconstrução representou o Espinossauro como um terópode semi-bípede, e "mais aquático" do que pensávamos. O reposicionamento das vértebras o fazia em terra firme andar a maior parte do tempo sobre quatro patas. As pernas eram menores e menos musculosas, com praticamente as mesmas proporções que os braços, e para um sustento melhor nas terras, o tronco e peso também diminuíram, ele tinha um novo centro de massa agora. Esse tipo de porte o deixava mais apto para nado, fora o formato dos pés, e o da vela. Suas dimensões de tamanho obviamente também mudaram, a estimativa de comprimento atingia agora cerca de 15 metros, a altura do chão a cabeça era de 3 metros (poderia se erguer até 3.5 ou 4m), e a vela totalizaria um máximo de 5 metros, mesmo estando menor que antes, ainda estava no título de maior dinossauro carnívoro, uma coisa do qual fãs do Espinossauro ainda podem se orgulhar.



Um Espinossauro diferente, poderia ter também uma rotina diferente. Em terra firme conseguiria ainda caçar Ouranossauros, os Aegyptossauros é incerto, entretanto, lutar contra Carcharodontossauros não era mais uma boa opção. O Espinossauro nessas condições tinha um porte físico inferior, e os braços que eram considerados a principal arma de sua versão anterior, agora eram mais fracos e não estava bem posicionados para se usar como uma arma eficiente, além de seu pescoço e vela estarem bem vulneráveis. Nas águas ainda poderia ter uma boa liberdade para predar. Bahariassauros eram predadores de médio porte, não seriam uma ameaça muito grande, e agora sendo um nadador ainda mais nato, não teria problema em pescar os peixes, e nem muita necessidade em optar por presas mais ambiciosas.



Informações do dinossauro

Nome: Espinossauro.
Nome científico: Spinosaurus aegyptiacus.
Tamanho: De 15 metros de comprimento e 3 metros de altura (4.5 a 5m na altura da vela).
Peso: Cerca de 5 a 6 toneladas.
Local: Norte da África - Egito.
Época: Período Cretáceo.
Alimentação: Carnívora.
Grupo: Terópode.
Família: Spinosauridae.

Fontes: Blog do Rárisson http://sodinossauros.blogspot.com/ , o blog DINOSSAUROS http://dinossaurospaleontologia.blogspot.com/.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Alossauro




Alossauro, cujo nome significa "Lagarto diferente", devido as peculiaridades no crânio, sendo estas as elevações em forma de crista, acima dos olhos, e "fragilis", por causa do estado em que foram encontrados seus restos, pois estavam frágeis. Foi um dinossauro terópode e bípede, de porte médio, com cerca de 10 metros de comprimento e 3 metros de altura, que viveu há 155 a 150 milhões de anos atrás, no Período Jurássico e se tornou um dos maiores predadores de sua época, alcançando altos níveis na cadeia alimentar.

 O Alossauro é um dos carnívoros mais populares, e não é atoa, pois notória foi sua marca na mídia, e na sua história. Ele conseguiu espalhar-se pela América do Norte e predar várias espécies de dinossauros, mesmo vivendo na época dos saurópodes. Suas possíveis e principais presas eram os Estegossauros, Diplodoco, Apatossauro, Camarassauro, Braquiossauro, e ocasionalmente batalhava contra os Ceratossauros.



Os motivos de serem tão fortes, eram o crânio de 1 metro de comprimento, ostentando dezenas de dentes afiados, perfeitos para rasgar quaisquer tipo de carne, sustentados por uma mandíbula com força de mais de uma tonelada, que abria até um ângulo de 79º, braços fortes, terminados em garra, podendo agarrar e arranhar suas vítimas, e um corpo musculoso, pois a maioria de suas presas eram dinossauros fortes e pesados. Necessitaria de mais força que velocidade, não que não fosse rápido, com sua cauda longa e pernas musculosas, alcançava aproximadamente 33 km/h, somando sua eficiência anatômica a um pequeno grupo, formado para casos em que a presa fosse bem maior, não havia muitas chances de sobrevivência.

O Alossauro foi o primeiro dos grandes dinossauros carnívoros, a ser encontrado. O primeiro fóssil de Alossauro foi descoberto em 1877 por Othiniel Charles Marsh e desde então já foram encontrados mais de 100 fósseis referentes a espécies do gênero, sendo que os achados mais importantes ocorreram nos Estados Unidos e Portugal.



Informações do dinossauro

Nome: Alossauro.
Nome científico: Allosaurus fragilis.
Tamanho: 10 metros de comprimento e 3 a 3,5 metros de altura.
Peso: 3 toneladas.
Local: América do norte.
Época: Período Jurássico.
Grupo: Terópode
Alimentação: Carnívora.
Grupo: Terópode.
Família: Allosauridae.

Tyrannotitan


Foi um antepassado próximo do Giganotossauro e Mapussauro, vivendo nas proximidades, em Chubut, e sendo um grande predador tirano, assim como os parentes, daí o nome Tyrannotitan chubutensis. Media aproximadamente 12 metros de comprimento e 4 metros de altura, comparável a outros carcharodontossaurídeos, e sua força também era comparável, dentes enormes de 25 cm, corpo robusto, capaz de caçar poderosos saurópodes.

O que lhe difere outros terópodes de sua família, são os braços proporcionalmente mais curtos, como os de um Tiranossauro, os dentes, que mesmo sendo um dos maiores, tinham sutis detalhes no formato, laminada, e as vertebras na coluna da cauda, mais altas do que o normal.



Informações do dinossauro
Nome: Tyrannotitan.
Nome científico: Tyrannotitan chubutensis.
Tamanho: 12 metros de comprimento e 4 metros de altura.
Peso: 7 toneladas.
Local: América do sul.
Época: Período Cretáceo.
Alimentação: Carnívora.
Família: Carcharodontosauridae.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Carnotauro







Carnotauro, cujo nome significa "Touro carnívoro", batizado com esse nome por conta de seus chifres, que se formavam nas elevações de seu crânio, levemente se assemelhando a um bovino, foi um dinossauro carnívoro e bípede, de médio porte, com 8 metros de comprimento e 3 metros de altura, e viveu há cerca de 113 milhões de anos atrás, no período Cretáceo.



Ele apresentava estruturas ósseas que eram muito incomuns para um dinossauro normal. O corpo era coberto por caroços duros, os braços eram muito franzinos, com até quatro dedos fundidos e desprovidos de garra, o pescoço era anormalmente longo, o crânio era relativamente pequeno, curto e alto, com mandíbulas em forma de caixa, e seus olhos eram voltados para frente, e bem desenvolvidos, por sinal.

Por ter um corpo esbelto e leve, e uma cauda de contrapeso, o Carnotauro alcançava altas velocidades sem problemas, ultrapassando a faixa de 55 km/h, o que era ótimo para seu tamanho, em vista de que os velozes raptores corriam em média 60 km/h. Sendo bem rápido e com uma visão ampla binocular, e noção de profundidade, ele seria bem preciso em suas investidas, tanto em capturar suas presas em plena perseguição, quanto em combate, nem o mais rápido dos herbívoros escaparia de seus ataques. Sua mordida era relativamente fraca, no entanto, com no mínimo 300 kg de pressão, e compensando isso com velocidade de corrida e de mordida, o Carnotauro tinha maestria em caçadas rápidas, alvejando herbívoros rápidos e desprotegidos. Mas não dispensaria saurópodes de porte médio, um grupo pequeno poderia ser o suficiente para abater um.



Informações do dinossauro

Nome: Carnotauro.
Nome científico: Carnotaurus sastrei.
Tamanho: 8 metros de comprimento e 3 metros de altura.
Peso: 1 tonelada.
Local: América do Sul.
Época: Período Cretáceo.
Alimentação: Carnívora.
Grupo: Terópode.
Família: Abelisauridae.






Fonte: Blog do Rárisson http://sodinossauros.blogspot.com/